Páginas de um livro #1

 

 

As páginas do livro da minha vida foram escritas com solidão e tristeza. Algumas houve que foram alegres, felicidade nunca tive.

Duas contingências marcaram a minha vida deste e infância: órfão de pais vivos nunca tive família – a minha maior pobreza -  : saúde débil pela vida fora. Com este escasso capital herdado nunca poderia ir muito longe e foi isso que aconteceu.

Na infância tive outro problema que deixou marcas para o resto da vida. Fiz uma cirurgia, sénior, na  gíria dos cirurgiões, e Ela esteve a meu lado no hospital sem que eu a visse ou suspeita-se da sua presença. Deixou-me ficar vivo mas levou um parte da minha memória, roubou-me parte da minha vida, que nunca mais teve recuperação.

A tristeza começou na infância e deve ter sido herança da minha mãe, mulher infeliz. A adolescência foi menos triste graças a um grupo de amigos onde o convívio era saudável. A  vida foi-me fazendo homem, não descarrilei mas podia ter acontecido, o acaso – grande fazedor de acontecimentos - , a sorte o azar, decisões acertadas outras erradas foram preenchendo as páginas da minha história de vida, uma história banal como milhões de outras histórias.

Na mocidade dois insucessos amorosos – Fernanda e Julieta – marcaram a minha entrada no amor. Doeu bem fundo e durante mais de seis anos não existiu qualquer mulher na minha vida, quase desesperei.

 

tags:
publicado por pimentaeouro às 21:05