Amizade

Querido amigo, esta noite sonhei contigo. Passeava numa rua e alguém chamou por ti. Fui logo ao teu encontro e cumprimentei-te com emoção. No sonho, as tuas feições eram diferentes mas tinhas o mesmo aspecto calmo.

Convidei-te para minha casa, como fiz muitas vezes. A minha casa também era diferente. Sentados à mesa perguntei-te se já tinhas emprego e respondes-te indefinidamente. Esta pergunta corresponde a um problema difícil na tua vida. Sais-te voluntariamente do PCP e do Comité Central depois de muitos anos de militância e clandestinidade:e uma trataram-te de uma maneira indigna.

Sonho muito curto, terminou aqui.

Faleces-te prematuramente há cerca de 15 anos. O teu ar modesto escondia a tua inteligência e uns óculos de lentes grossas escondiam um olhar irrequieto.

Conversador inato, era um prazer ouvir-te e raramente falavas da tua militância no P.C.P., da tua vida na clandestinidade e da prisão. Foste-te dos presos mais torturados e nada em ti fazia transparecer o sofrimento: foste-te um herói anónimo de Abril.

Conhecemo-nos em meados dos anos 50 do século passado na «tertulia» em Torres Novas, entras-te na clandestinidade e reencontrámo-nos depois de Abril: a amizade era a mesma e voltei a ter o privilégio de me relacionar contigo.

tags: ,
publicado por pimentaeouro às 21:17
música: aleces-te