Tristeza #3

CHUVA.jpeg

 

 

A minha infeliz mulher está destruída pela doença. Os olhos brilhantes agora estão tristes, o sorriso aberto e fácil desapareceu, a alegria de viver morreu. Agora rugas fincadas marcam o seu rosto: as faces estão maceradas pelo sofrimento.

A dor crónica neuropática destrói-a, adormece exausta pela dor, tamanho sofrimento tem paralelo nos doentes terminais: não é humano, é horrível, é o inferno. A tudo isto, acrescenta-se a marcha inexorável da síndrome de Alzaymer. Provavelmente, a perda progressiva da consciência diminuirá a dor.

Na velhice sou a testemunha impotente desta tragédia, testemunha solitária sem ninguém com que partilhar a minha dor: nunca imaginei o fim que a vida me reservava. Que vontade de viver me restará neste terramoto

 

publicado por pimentaeouro às 23:27